A Moda segundo Dior

0
351

“Christian Dior” é com certeza uma das melhores e belas exposições do momento em Paris, 2017 o ano em que a famosa grife completa 70 anos de existência.

Aquele que iniciou a vida profissional como negociador em arte representando jovens artistas de talento da época como Chirico e Salvador Dali, sonhou em ser um grande arquiteto, mas se tornaria um grande visionário da moda. Reconhecido após seu primeiro desfile de alta costura em 1947, transformou e inovou o mercado do luxo.

O artista Jean Cocteau, dizia a seu amigo que seu nome Dior era um nome mágico, contração da palavra “Dieu” (Deus) e “Or” (ouro).
A retrospectiva apresenta 400 vestidos, objetos, croquis e quadros de grandes mestres como Renoir, fazendo eco à sua antiga profissão. Acessórios como sapatos, bolsas e perfumes completam a exibição, pois ele colaborou com grandes nomes como Vivier (sapatos) e Serge Lutens (maquiagens), testemunhando da visão global que Dior tinha da moda.
Na cenografia é apresentado um Colorama, uma declinação de cores fundamentais da marca. Para ele o Rosa era a cor da felicidade e da feminilidade e o Cinza a mais prática e elegante das cores neutras. O Vermelho a cor da vida e o Preto, a mais elegante de todas, da qual ele dizia poder escrever um livro.


Destaque para a apresentação do perfume Miss Dior, homenagem à sua irmã Catherine, figura da resistência francesa, que após o seu retorno dos campos de concentração, iria inspirar a marca.
Muito interessante o espaço dedicado à apresentação dos moldes feitos em tela, antes de serem executados nos tecidos fabricados em exclusividade para cada modelo.


Após a morte de Dior, Yves Saint Laurent, um talentoso estagiário da época assumiu o controle da grife, deixando sua marca.

Assim como farão todos os seus sucessores: Marc Bohan,

Gianfranco Ferré,

John Galliano,

Raf Simons,

e em 2016 a primeira mulher diretora da criação, Maria Grazia Chiuri.

Todos se inspirarão do ADN Dior, mas associando cada um à sua maneira seu próprio talento.

O percurso termina na grandiosa sala decorada para um Baile onde são apresentados maravilhosos vestidos, muitos pela primeira vez, e usados por personalidades famosas como Grace de Mônaco e Lady Diana.


Dior disse “após a mulher, as flores são as mais belas criações divinas”. Flores foram uma grande fonte de inspiração em suas coleções.

Mas sem dúvidas que mãos responsáveis pela realização de modelos de rara elegância, inspiração da moda ainda nos dias de hoje, riqueza de detalhes e perfeição tenham sido igualmente tocadas pela graça Divina!

Musée des Arts Décoratifs

Exposição Dior até o dia 7 de janeiro 2018

http://www.lesartsdecoratifs.fr/

Instagram – allaboutparisandbeyond

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here